PF prende suspeito de terrorismo no RJ; defesa dele nega

A Polícia Federal prendeu Chaer Kalaun, de 28 anos, por suspeita de ligação com grupos terroristas, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, nesta quarta-feira (27). Segundo o advogado dele, a prisão temporária foi decretada por um juiz federal por causa de algumas postagens que ele fez em redes sociais. A defesa nega que ele tenha ligação com atos terroristas.

Kalaun é brasileiro e tem descendência libanesa. Na infância, ele chegou a morar alguns anos com a avó no Líbano.

Operação Hashtag
No último dia 21 de julho, a chamada “Operação Hashtag” foi lançada pela Polícia Federal, resultando na prisão de 12 pessoas em 8 estados.

Foram 10 mandados de prisão cumpridos em 7 estados na quinta-feira e as demais prisões ocorreram em Mato Grosso. Na sexta-feira (22), o penúltimo foragido se entregou à PF na cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade, e no domingo (24), o último suspeitofoi localizado pela Polícia Militar de MT em Comodoro.

Todos os presos na operação da PF estão presos no presídio federal de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul. A detenção é considerada de segurança máxima, e abriga presos perigosos, como o traficante Fernandinho Beira-Mar.

Foram as primeiras prisões no Brasil com base na recente lei antiterrorismo, sancionada em março pela presidente afastada, Dilma Rousseff.

Também foram as primeiras detenções por suspeita de ligação com o grupo terrorista Estado Islâmico, que atua no Oriente Médio, mas tem cometido atentados em várias partes do mundo.

Além das prisões, foram cumpridos 19 mandados de busca e apreensão em dez estados – São Paulo (8); Goiás (2); Amazonas (2); Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Paraíba, Ceará, Minas Gerais e Mato Grosso (um em cada). Houve ainda duas conduções coercitivas, em São Paulo e Minas Gerais.

Do Portal G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *