‘Não vai faltar segurança na Olimpíada do Rio’, diz ministro da Defesa

Raul Jungmann detalhou o funcionamento das Forças Armadas no Rio para os Jogos (Foto: Fernanda Rouvenat/G1)

Raul Jungmann detalhou o funcionamento das Forças Armadas no Rio para os Jogos (Foto: Fernanda Rouvenat/G1)

O Ministro da Defesa, Raul Jungmann, garantiu nesta quarta-feira (7) que não vão faltar dispositivos de defesa e de segurança para garantir tranquilidade nos Jogos Olímpicos, que começam no próximo dia 5 de agosto. Segundo o titular da pasta, 21 mil homens das Forças Armadas participação do esquema de segurança na cidade, durante a Rio 2016.

“Não vai faltar segurança na Olimpíada do Rio. De forma alguma, de maneira alguma”, disse Jungmann, durante evento no qual detalhou a utilização das Forças Armadas para os Jogos, no Comando Militar do Leste, no Centro do Rio.

Não vai faltar segurança na Olimpíada do Rio. De forma alguma, de maneira alguma.”
Raul Jungmann, ministro da Defesa

O ministro afirmou ainda que houve uma solicitação do governador em exercício, Francisco Dornelles, para que fosse disponibilizado mais efetivo de Exército, Marinha e Aeronática no período dos Jogos.

“Quando falamos em 21 mil, estamos falando de Rio de Janeiro. Originalmente, a nossa previsão era de que teríamos 18 mil homens trabalhando diretamente nas olimpíadas aqui do Rio de Janeiro. Entretanto, houve uma solicitação do senhor governador [em exercício] Dornelles para que fosse disponibilizado mais efetivos e, então, nós colocamos mais três mil homens”, explicou o ministro.

“Vamos atender a todos os requisitos que o Comitê Olímpico Internacional nos delegou realizar”, garantiu Jungmann.

Forças armadas
Para o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, o ponto positivo da segurança durante a Rio 2016 será a  integração das forças armadas, polícia federal e polícias do estado.

“Uma maneira de integração jamais vista. Uma maneira de integração de trabalho que avançou muito desde a Copa do Mundo. Uma integração de planejamento, de execução, para que nós possamos garantir total segurança, total tranquilidade nos jogos olímpicos. Seja para os cariocas, seja para os brasileiros e estrangeiros que vêm ao Rio de Janeiro assistir às Olimpíadas”, disse Moraes.

Serão utilizados 12 navios, 1.169 viaturas, 70 veículos blindados, 28 helicópteros, 48 embarcações de diferentes tipos e 174 motos.

O Exército ficará responsável pelas áreas de competição da Barra da Tijuca e Deodoro, na Zona Oeste, e Maracanã, na Zona Norte do Rio, além do patrulhamento em aeroportos e vias expressas como as Linhas Amarela, Vermelha e a Avenida Brasil.

Já a Marinha informou que 4 mil fuzileiros navais estarão à disposição do governo do estado para atuar durante a Olimpíada, em uma área que se estende da orla de São Conrado, na Zona Sul, até o Caju. São ruas e avenidas por onde atletas e comitivas vão passar.

‘Tiro de destruição’
O Ministro da Defesa afirmou ainda durante a coletiva que qualquer aeronave não reconhecida que tentar entrar nas áreas de competição sem autorização pode ser destruída pela Aeronáutica.

“Se qualquer aeronave não reconhecida entrar nesse espaços de exclusão, a Aeronáutica está autorizada a dar tiro de destruição. Nós estamos prontos, nós estamos planejados”, afirmou o ministro.

De acordo com o Almirante Ademir Sobrinho, será proibido o tráfego de aeronaves em uma área de cinco milhas dos locais de competição e concentração de atletas.

“As exceções são as aeronaves de busca e salvamento, aeromédicas, de segurança pública, da imprensa que vá fazer a cobertura dos eventos. Ninguém mais pode entrar. Todos os movimentos aéreos serão submetidos ao contingenciamento do espaço aéreo”, afirmou o almirante Ademir Sobrinho, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

Pontos turísticos e terrorismo
O Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, acrescentou que o policiamento nos pontos turísticos da cidade são de responsabilidade da Polícia Militar. “Isso é segurança pública. Caso haja necessidade de acionar a Polícia Federal, já há um protocolo integrado previsto”, explicou. “Temos forças de contingência caso seja necessário”, disse Jungmann.

O Ministério da Defesa criou uma estrutura temporária chamada Comando Conjunto de Prevenção e Combate ao Terrorismo que integra todas as capacidades e poderes das Forças Armadas, específicas contra o terrorismo.

“Tudo que existe de capacidade de contra terror na Marinha do Brasil, no Exército Brasileiro e na Força Aérea foram agrupados neste comando conjunto para que nós colocássemos essas capacidades à disposição durante os Jogos Olímpicos”, explicou o general Mauro Sinott.

O planejamento começou em 2015 através do grupo GT Terrorismo, criado pela Casa Civil. Nessa estrutura, as forças armadas aperfeiçoam os planejamentos de inteligência, as práticas que foram absorvidas ao longo dos grandes eventos e agregam mais capacidades aos homens que integram as forças contra terror.

Esquema de Segurança na Olimpíada (Foto: Foto: Editoria de arte/G1)
Esquema de Segurança na Olimpíada (Foto: Foto: Editoria de arte/G1)

Esquema de segurança
No total, 21 instituições são responsáveis pela organização da segurança do evento, com custos estimados em R$ 1,5 bilhão entre 2012 e 2016. Oitenta e cinco mil agentes vão participar da segurança dos Jogos, entre 5 de agosto (início das Olimpíadas) e 18 de setembro (fim das Paralimpíadas). As delegações poderão ser monitoradas em tempo real, como mostrou oG1.

Quarenta e sete mil homens estarão no evento na área de segurança pública, responsável pela segurança de autoridades, segurança viária e de tráfego, policiamento ostensivo nas ruas, defesa civil, segurança das instalações, polícias judiciária e marítima, repressão a crimes cibernéticos, vistorias e contramedidas de explosivos, cooperação policial internacional, serviços de inteligência e enfrentamento ao terrorismo.

No eixo da Defesa, 38 mil agentes estarão responsáveis por ações aeroespaciais, marítimas e fluviais, segurança e defesa cibernética, ações de transporte aéreo logístico, fiscalização de explosivos, proteção de estruturas estratégicas, emprego de forças de contingência e ações aeroportuárias.

Jogos
Os Jogos Olímpicos do Rio serão realizados entre 3 [primeiras competições, antes da abertura, no dia 5] e 21 de agosto de 2016. Nos Jogos, 10,5 mil atletas de 206 países disputam 306 provas de 42 modalidades, sendo golfe e rúgbi as novidades nesta edição

Na cidade-sede vão ser disputados 41 esportes nas regiões olímpicas de Deodoro, Barra,Maracanã e Copacabana. Para testar os 32 locais de competição foram realizados 39 eventos-teste. As cidades de Belo Horizonte, Brasília, Manaus, São Paulo e Salvador vão sediar as disputas do futebol.

As paralimpíadas vão ser realizadas entre 7 e 18 de setembro de 2016. São esperados 4,35 mil atletas de 176 países distribuídos nas 23 modalidades em que disputam 528 medalhas. Nesta edição, a canoagem e o triatlo são esportes estreantes.

Os 21 locais de competição estão localizados nas mesmas quatro regiões do Rio de Janeiro onde ocorrem as disputas de agosto. Esta será a 16ª edição dos Jogos Paralímpicos, que foram disputados oficialmente pela primeira vez em Roma, na Itália, em 1960. Em 2016, será a primeira vez que os jogos serão realizados na América do Sul.

Do Portal G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *