Mulher é picada por cobra jararaca no estacionamento do Aeroporto Santos Dumont, Rio

Uma mulher foi picada por uma cobra jararaca no estacionamento do Aeroporto Santos Dumont, um dos dez maiores do país, no Centro do Rio de Janeiro. Por sorte, segundo biólogos, o réptil não eliminou o veneno.




O caso aconteceu na noite de domingo (17), quando Ana Karina de Moraes foi com os filhos deixar um parente que viajaria para Salvador, na Bahia. O carro ficou no estacionamento e, na volta, a mãe das crianças sentiu a picada.

“Na hora, eu não prestei atenção exatamente o que era, só senti uma dor muito forte, e tentamos olhar debaixo dos carros pra tentar identificar que bicho foi, mas infelizmente ela [a cobra] já tinha fugido”, conta.

Ana Karina de Moraes foi atingida no calcanhar. Ela tirou uma foto, que mostra onde a presa deixou as marcas.

“Pelo que a gente conseguiu ver nas fotos e pela região que aconteceu, o local no Rio de Janeiro, provavelmente foi uma jararaca que picou”, explicou o biólogo Claudio Machado, do Instituto Vital Brazil.




“Realmente, se trata de uma picada seca, um bote seco. Ela pegou, mas não eliminou o veneno de tal forma que essa mulher se beneficiou do fato de não ter sido envenenada pela cobra”, argumentou o presidente do instituto.

O Instituto Evandro Chagas, da Fiocruz, foi procurado. Os médicos constataram que não havia necessidade de aplicar o soro antiofídico para neutralizar o veneno. Ana Karina de Moraes está internada em observação no CTI do Hospital Casa de Portugal, no Rio Comprido.

Diante da suspeita, médicos recomendam que quem for picado procure um serviço médico de urgência para que se possa fazer o anti-soro, se for o caso. No, os soros contra picadas de animais peçonhentos, como cobras, são produzidos pelo Instituto Vital Brazil.

O biólogo que há 30 anos estuda cobras faz um alerta: “Nessa época que a temperatura está se elevando, época de nascimento desses indivíduos, os filhotes estão nascendo nessa época. Então, a gente pode encontrar uma fêmea parindo até 50 filhotes ao mesmo tempo. Então, a gente tem que tomar muito cuidado porque os animais pequenos, eles estão com praticamente camuflados no ambiente, a pessoa não vê, acaba tocando no animal, pisando e a causando acidente”, diz Claudio Machado.




O Instituto Vital Brazil disse que são registrados, em média, 700 acidentes com cobras no estado do Rio por ano.

Por Bette Lucchese, RJTV