Mulher de Pastor suspeito de matar os filhos, também é presa por participação no crime, no ES

A mãe das duas crianças mortas em um incêndio em Linhares (ES) no dia 21 de abril foi presa em Teófilo Otoni (MG), na madrugada desta quarta-feira (20). O pastor, marido dela, está preso temporariamente desde o dia 28 de abril e foi indiciado por duplo homicídio triplamente qualificado e duplo estupro de vulneráveis. Inicialmente, a Polícia Civil havia informado que a mãe não tinha participação no crime e não era investigada. O mandado de prisão por homicídio qualificado contra Juliana Pereira Sales Alves foi expedido pela Justiça de Linhares nessa segunda-feira (18).




De acordo com a polícia, Juliana estava escondida na casa de um pastor que é advogado da família. No momento da prisão, ela estava com o filho de 1 ano e um mês. A criança foi encaminhada para o Conselho Tutelar. Juliana está na delegacia de Teófilo Otoni e deve ser levada para o presídio da cidade. Segundo a PC, ela deve ser transferida para Linhares até o fim da tarde dessa quarta. O G1 entrou em contato com a advogada da pastora, Milena Freire, mas ela não quis comentar o caso.

O crime aconteceu no dia 21 de abril. Inicialmente, o pastor George Alves disse que as crianças morreram em um incêndio que atingiu apenas o quarto onde as vítimas dormiam. Mas, segundo a polícia, a versão dele não estava de acordo com os fatos apurados durante as investigações. A Polícia Civil concluiu que o pastor George Alves matou o próprio filho, Joaquim Alves Salles de 3 anos, e o enteado Kauã Salles Butkovsky de 6 anos.




De acordo com as investigações, as crianças foram estupradas, agredidas e queimadas vivas.

Por G1 Vales de Minas