Menina de 04 anos morre ao ser picada por escorpião, em SP

Uma menina de quatro anos foi socorrida em estado grave e morreu na UPA, após ser picada por um escorpião no quintal de casa nesta terça-feira (10), em Cabrália Paulista (SP).




A mãe contou que Yasmin Lemos Campos estava brincando quando foi picada. Ela levou a filha ao Posto de Saúde da cidade e, de lá, a menina foi de ambulância para o hospital em Duartina, cidade vizinha.

Como a unidade não tinha o soro que combate o veneno, a menina precisou ser levada para uma Unidade de Pronto-Atendimento em Bauru.




Yasmin Lemos Campos, de 4 anos, morreu após ser picada por um escorpião no quintal de casa em Cabrália Paulista (Foto: Arquivo pessoal)

Yasmin Lemos Campos, de 4 anos, morreu após ser picada por um escorpião no quintal de casa em Cabrália Paulista (Foto: Arquivo pessoal)

Yasmim morreu na UPA de Bauru na noite desta terça-feira (10). O corpo da menina, foi velada no Velório Municipal da cidade,e sepultada por volta das 09 horas.




A mãe contou que Yasmin estava brincando quando foi picada. Ela levou a filha ao posto de saúde da cidade e, de lá, a menina foi de ambulância ao hospital em Duartina, cidade vizinha.

Corpo de Yasmin está sendo velado no Velório Municipal de Cabrália Paulista (Foto: Reprodução/TV TEM)

Corpo de Yasmin está sendo velado no Velório Municipal de Cabrália Paulista (Foto: Reprodução/TV TEM)

Como a unidade não tinha o soro que combate o veneno, a menina precisou ser levada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em Bauru. De acordo com a direção da UPA, uma vaga em UTI foi disponibilizada no hospital estadual, mas por causa da gravidade do quadro de saúde, a criança não pôde ser transferida.

O prefeito de Cabrália Paulista, Zequinha Madrigal (PTB), informou à TV TEM por telefone que não entende porquê o Hospital Santa Luzia, de Duartina, não acionou o Samu da cidade, já que envia verba para atender os moradores.




Ele alega também que o hospital demorou pra acionar a ambulância municipal de Cabrália Paulista, porque achou que a injeção de controle seria suficiente.

Já a direção do Hospital Santa Luzia de Duartina informou que existe um acordo com as prefeituras que determina que o paciente só pode ser transportado pela ambulância da cidade onde mora.

E por isso a menina precisou esperar a volta do veículo de Cabrália Paulista para só depois vir pra Bauru. O prefeito de Duartina, Aderaldo Pereira de Souza Junior (PP) informou que apesar do acordo, poderia disponibilizar a ambulância do município, mas que a decisão de chamar a de Cabrália Paulista foi do hospital.

Já o provedor hospital, Valdir Medeiros Maximino reafirmou que seguiu o protocolo assinado com as prefeituras, acionando a ambulância de Cabrália Paulista.

A TV TEM também entrou em contato com o Ministério da Saúde e a Secretaria Estadual de Saúde responsáveis pelo fornecimento e distribuição do soro antiescorpiônico, mas ainda não obteve retorno.

Por G1 Bauru e Marília