Juíza decide que adolescente autor de tiros pode ficar na delegacia até segunda-feira, em GO

Após pedido da defesa do estudante de 14 anos que abriu fogo em sala de aula, a juíza plantonista Mônica Cézar Moreno Senhorello determinou neste domingo (22) que o adolescente continue na cela de uma delegacia até que seja apresentado ao Juizado da Infância e Juventude, em Goiânia. O menino está apreendido desde que matou dois colegas e deixou outros quatro feridos.

——————————————— Continua depois da Publicidade ————————————-
Quer conhecer inúmeras novidades e ajudar o nosso site? Clique no nosso banner de publicidade abaixo




Na última noite, a magistrada havia ordenado a internação provisória do menino por 45 dias com a transferência imediata a um centro de internação.

A decisão por esperar para mudar o menino de local foi tomada após um requerimento proposto pela advogada dos pais do adolescente, Rosângela Magalhães. A defesa alegou que a família teme pela vida do menino se ele for levado ao Centro de Internação Provisória de Goiânia.

“O centro de internação daqui não é seguro por conta da repercussão do caso, por conta dos pais serem militares, e o pai já coordenou a segurança do batalhão do sistema prisional, o que traz mais insegurança para a vida do menino”, explicou a advogada ao G1.

——————————————— Continua depois da Publicidade ————————————-
Quer conhecer inúmeras novidades e ajudar o nosso site? Clique no nosso banner de publicidade abaixo




João Pedro Calembo (à esquerda) e João Vitor Gomes foram mortos a tiros durante ataque em escola (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

João Pedro Calembo (à esquerda) e João Vitor Gomes foram mortos a tiros durante ataque em escola (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

A assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO) informou que não possui mais detalhes sobre o parecer da magistrada porque o caso corre em segredo de Justiça. O adolescente deve passar por audiência na segunda-feira (23).

“Falando com o juiz que julgará o caso, vamos buscar uma solução para a internação de 45 dias para que fique em um local sigiloso e seguro”, espera a advogada.

——————————————— Continua depois da Publicidade ————————————-
Quer conhecer inúmeras novidades e ajudar o nosso site? Clique no nosso banner de publicidade abaixo




De acordo com Rosângela, o estudante “disse que está arrependido”. “Ele está abalado, como o pai, a mãe, todo mundo. A mãe está internada, o pai visivelmente não está bem. Ninguém imaginava que isso pudesse acontecer”, disse a advogada.

Arma pistola .40 usada por estudante pertence à mãe dele (Foto: Danila Bernares/TV Anhanguera)

Arma pistola .40 usada por estudante pertence à mãe dele (Foto: Danila Bernares/TV Anhanguera)

Atentado

O crime aconteceu na manhã de sexta-feira (20) em uma sala de aula do 8º ano do Colégio Goyases, no Conjunto Riviera, em Goiânia. Os disparos aconteceram no disparo entre duas aulas.

——————————————— Continua depois da Publicidade ————————————-
Quer conhecer inúmeras novidades e ajudar o nosso site? Clique no nosso banner de publicidade abaixo




Segundo o delegado Luiz Gonzaga Júnior, responsável pelo caso, o autor dos disparos disse que sofria bullying de um colega e, inspirado em massacres como o de Columbine, nos Estados Unidos, e de Realengo, no Rio de Janeiro, decidiu cometer o crime. Filho de policiais militares, ele pegou a pistola .40 da mãe e a levou para a unidade educacional dentro da mochila.

Além de João Vitor, os tiros causaram a morte de João Pedro Calembo, também de 13 anos, e deixaram outros quatros colegas baleados. Um deles, Hyago Marques, recebeu alta neste domingo e já se recupera em casa, mas outros três continuam internados.

O que se sabe até agora:

Veja a sequência dos fatos:

  • Colegas relatam que ouviram um barulho
  • Em seguida, os alunos viram o adolescente tirando a arma da mochila e atirando
  • Alunos correram para fora da sala de aula
  • O aluno descarregou um cartucho, carregou o segundo e deu um tiro, mas foi convencido pela coordenadora a travar a arma
  • Estudante foi levado para a biblioteca até a chegada dos policiais
 (Foto: Arte/G1)

(Foto: Arte/G1)

Por Paula Resende, G1 GO