Idoso colocou veneno em achocolatado para se vingar de ladrão, diz polícia de MT

Rhayron Christian da Silva Santos  (Foto: Arquivo pessoal)

Rhayron Christian da Silva Santos (Foto: Arquivo pessoal)

A Polícia Civil investiga se o pai do menino que morreu após beber achocolatado envenenado em Cuiabá sabia que a bebida havia sido furtada de uma casa. As investigações apontam que o achocolatado foi adulterado por Adônis José Negri, 61 anos, como forma de se vingar de Deuel de Rezende Soares, de 27 anos, que teria cometido furtos à sua residência. Os dois moram no mesmo bairro que a família da criança. A morte de Rhayron Christian da Silva Santos, de 2 anos, ocorreu no dia 25 de agosto, em Cuiabá.

Soares alega que vendeu o achocolatado por R$ 10 ao pai do menino que morreu. O inquérito, que está na Delegacia de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente da capital, sob a responsabilidade do delegado Eduardo Botelho, deve ser concluído em até 15 dias.

“A investigação continua e, se ficar comprovado que o pai sabia que se tratava de produto de furto, ele vai ser autuado por receptação”, disse Botelho ao G1.

Na quinta-feira (1º), Adônis, que trabalha com serviços gerais, e Soares, que está desempregado, foram presos por envolvimento na morte do menino.

O idoso deverá responder por homicídio qualificado e por tentativa de assassinato, enquanto Deuel por furto qualificado. Os dois foram levados para o Centro de Ressocialização de Cuiabá, antigo presídio do Carumbé. Deuel já tem condenação na Justiça por furto.

Dois suspeitos são presos na morte de criança após beber achocolatado (Foto: Thainá Paz/ G1)
Dois suspeitos são presos na morte de criança após beber achocolatado (Foto: Thainá Paz/ G1)

O laudo pericial que apontou que achocolatado foi envenenado foi divulgado na quinta-feira pela Secretaria de Segurança Pública. Exames feito na bebida e com material coletado do estômago do menino comprovaram a presença de um defensivo agrícola. Adônis teria usado uma seringa para colocar o veneno.

O menino morreu aproximadamente uma hora depois de ter tomado o achocolatado, na casa da família, no bairro Parque Cuiabá. A mãe, que foi quem deu a bebida ao garoto, também tomou um pouco e passou mal, mas não chegou a ser internada. Um amigo da família, que bebeu o achocolatado, passou mal e foi hospitalizado.

Rhayron Christian da Silva Santos (Foto: Arquivo pessoal)
Rhayron Christian da Silva Santos (Foto: Arquivo pessoal)

Anvisa
Depois da morte do menino, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária determinou o recolhimento e a proibição da venda do produto, da marca Itambé, em todo o território nacional. Mas, mesmo depois da confirmação de que a bebida foi envenenada, a Anvisa informou que a suspensão cautelar continua, e que a comercialização deve ficar proibida até que exames laboratoriais feitos pelo órgão comprovem que não há contaminação química.

A Vigilância Sanitária de Mato Grosso informo que a investigação sanitária prossegue e é conduzida em parceria com a Anvisa. O lote permanece interditado até publicação oficial da resolução de liberação do produto.

Itambé
A Itambé também se posicionou depois que ficou comprovado o envenenamento do produto da marca. Disse que lamenta o ocorrido, que se solidariza com a dor da família e que reforça o compromisso com os consumidores ao entregar produtos com qualidade.

Carolina Holland
Do G1 MT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *