Enterro de vítima de ‘pornô de vingança’ comove a Itália

O enterro de Tiziana foi transmitido ao vivo pela TV italiana (Foto: Reprodução)

O enterro de Tiziana foi transmitido ao vivo pela TV italiana (Foto: Reprodução)

A polícia italiana deteve quatro homens como parte da investigação sobre o suicídio de uma mulher que lutou durante meses para que um vídeo em que ela aparece fazendo sexo fosse removido da internet.

Tiziana Cantone, de 31 anos, tinha enviado o vídeo no ano passado para o ex-namorado e três outros homens, que postaram o vídeo nas redes sociais.

Mais de um milhão de pessoas assistiram às cenas de sexo. Tiziana se tornou alvo de piadas e abuso.

Ela se suicidou na terça-feira, na casa de uma tia em Mugnano, cidade do sul da Itália próxima a Nápoles.

Promotores abriram uma investigação e os quatro homens poderão responder a processo por difamação – crime que pode ser punido com até três anos de prisão na Itália.

‘Direito ao esquecimento’
Depois que o vídeo viralizou, Tiziana deixou seu emprego e se mudou para a região da Toscana. Estava em meio a um processo de mudança de nome, mas a história continuava perseguindo-a.

As frases “Está filmando? Bravo”, que ela falou no vídeo, viraram piada e foram até impressas em camisetas e canecas.




Tiziana tinha conseguido na justiça a retirada do vídeo de diversos sites, ferramentas de busca e mídias sociais. Mas a decisão do juiz também incluiu uma determinação para que a mulher pagasse 20 mil euros em custos processuais – algo que a mídia italiana chamou de “insulto final”.

Segundo o correspondente da BBC em Roma, James Reynolds, os italianos reagiram ao suicídio de Tiziana com uma mistura de choque e vergonha. “A morte dela provocou um debate sobre os efeitos da humilhação pública de jovens mulheres.”

Caso comoveu a Itália
Até o primeiro-ministro, Matteo Renzi, entrou no debate. “É uma batalha cultural, social e política”, disse Renzi. “A violência contra a mulher é um fenômeno que podemos erradicar.”

O enterro de Tiziana foi transmitido ao vivo pela TV, e a mulher que queria ser esquecida agora é lembrada por um país.

A família dela pediu que as autoridades façam justiça. “Queremos que o judiciário aja para que a morte dela não seja em vão”, disseram parentes à mídia italiana.

Da BBC

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *