Coronel reformado da PM é preso por suspeita de pedofilia no Rio

Um coronel reformado da Polícia Militar, de 62 anos, foi preso na noite deste sábado (10), após ser encontrado em um carro com uma criança de 2 anos nua. Segundo a Polícia Civil, para não ser conduzido e “se manter impune”, ele “ofereceu vantagens” aos policias militares que o detiveram.

Ainda de acordo com a polícia, a delegada Carolina Martins, da Central de Garantias da Cidade da Polícia, autuou o coronel em flagrante pelos crimes de estupro de vulnerável e corrupção ativa. Ele foi encaminhado para o Batalhão Especial Prisional (BEP), em Niterói.

A criança foi entregue aos responsáveis legais e posteriormente será encaminhada à Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), segundo a Polícia Civil. A prisão foi realizada por policiais do 22º Batalhão de Polícia.

A Polícia Civil informou ainda que cópias do procedimento serão encaminhadas ao Conselho Tutelar, para garantir a assistência à criança, e à 21ª Delegacia de Polícia (Bonsucesso) para prosseguir na investigação quanto a possíveis envolvidos no crime e apurar de que forma que a criança foi entregue ao coronel, e afirmou ainda que “outras informações não serão divulgadas para não prejudicar a investigação”.

O G1 não conseguiu contato com representantes do coronel reformado. A PM informou que, até as 18h15, não sabia quem o defendia. A equipe de reportagem não encontrou o contato em listas públicas.

Em nota, a PM disse que “repudia e combate qualquer tipo de crime”. “O crime não pode passar da pessoa de quem o cometeu. Não é a instituição, mas um cidadão que cometeu um crime abjeto e que não teve e nunca terá a nossa complacência”, diz o texto (leia a íntegra no fim da reportagem).

Acusações anteriores
O coronel já esteve envolvido em outros processos criminais anteriormente, como mostrou a GloboNews Em 1993, chegou a ser condenado a um ano de prisão por abandono e maus-tratos de uma menina de 3 meses. Ela foi deixada sozinha em uma casa por várias horas sem comer.

O coronel não chegou a cumprir pena porque era réu primário e, em um segundo julgamento, foi absolvido, de acordo com a reportagem. Ele também já foi investigado por envolvimento com o jogo do bicho.

O suspeito é presidente da Caixa Beneficente da PM do Rio. Segundo informações do site da Caixa, ele é formado em direito e atua há 42 anos na PM.

Segundo as informações, o PM ingressou aos 19 anos para a Academia de Polícia Militar e três anos depois se tornou aspirante. Passou por diversos batalhões de São Cristóvão (4º BPM), Campos de Goytacazes (8º BPM), Bangu (14° BPM) e Olaria (16º BPM).

Ainda segundo o texto, o Coronel tem passagem pelo gabinete de quatro comandantes-gerais e relações públicas da Polícia Militar.

Em 2014, concorreu a deputado federal pelo Partido Social Liberal (PSL) e obteve 1.948 votos, sem ser eleito.

Denúncia
De acordo com a PM, policiais do batalhão foram acionadas para checar uma denúncia de estupro de vulnerável em Ramos, na Zona Norte, e chegando ao local, encontrou o carro informado pelo denunciante. O veículo foi abordado pelos agentes, e no seu interior estavam o coronel e a criança.

Ainda segundo a Polícia Militar, o homem se identificou como policial reformado e pediu “que a ocorrência fosse encerrada, oferecendo vantagens aos policiais militares. A equipe recusou a oferta e o conduziu preso para o registro na Central de Garantias Norte”.

A PM acrescentou que o policial reformado, além de responder perante a Justiça comum, também será submetido a um Processo Administrativo Disciplinar que julgará sua expulsão.

Íntegra da nota da PM:

De acordo com informações do 22º BPM (Maré), na noite de sábado (10/09), a unidade foi acionada para checar denúncia de estupro de vulnerável em Ramos e chegando ao local encontrou o veículo informado pelo denunciante. O carro foi abordado pelos policiais militares e no seu interior estava um senhor junto de uma criança nua. O senhor se identificou como Policial reformado e pediu que a ocorrência fosse encerrada, oferecendo vantagens aos policiais militares. A equipe recusou a oferta e o conduziu preso para o registro. O Policial já foi conduzido para a Unidade Prisional em Niterói.

Em relação a tal fato, o policial reformado além de responder perante a Justiça comum, também será submetido a um Processo Administrativo Disciplinar que julgará sua expulsão.

A Polícia Militar repudia e combate qualquer tipo de crime.

O crime não pode passar da pessoa de quem o cometeu. Não é a instituição, mas um cidadão que cometeu um crime abjeto e que não teve e nunca terá a nossa complacência.

A PM prendeu o policial;
A PM não aceitou fazer por menos;
A PM conduziu a ocorrência para registro;
A PM conduziu o policial preso para a Unidade Prisional da PM em Niterói.

Mãe também foi presa

A mãe da criança que confirmou, em depoimento à polícia, ter entregado a criança ao coronel também foi presa. Ela foi ouvida na sede da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), na Lapa, no Centro do Rio, por volta das 9h desta segunda, após ser presa em casa, na Travessa Leonor Mascarenhas, na comunidade Uga-Uga, em Ramos, Zona Norte do Rio.

Segundo depoimento na Central de Garantias da Cidade da Polícia, ela foi junto com o Coronel e a criança a uma lanchonete, e teve de voltar em casa para buscar o celular. Por isso, a mãe teria deixado a criança com o oficial da PM. Outras testemunhas também devem ser ouvidas nos próximos dias.

A polícia também cumpriu na manhã desta segunda um mandado de busca e apreensão em um dos prédios da Caixa Beneficente da PM, na Praça Tiradentes, onde o coronel trabalhava.

Do G1 Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *